sábado, dezembro 29, 2007

PROFISSÃO: PROFESSOR
Perfil: Vilma


A mais tresloucada criatura que já deu aula no CEFET deve ter sido a tia Vilma. Dona de vários tiques nervosos como piscar os olhos e mover os lábios descontrolavelmente para o lado direito, nossa querida professora de Física era incapaz de dizer corretamente um nome, mesmo lendo-o no diário. Por exemplo, o Adilton (uma espécie de Mega-Sergio) , ela insistia em chamar de "Adélio". O Rodrigo big dog virava "Ronaldo", o Tennessee, com tantas letras duplicadas ficava só na primeira sílaba mesmo e, por algum motivo alheio à qualquer lógica, ela vivia confundindo Fernando com Davi.

Vilma era louquinha de pedra, mas não fazia muitas merdas. A melhor coisa que fez foi a filhinha, colega nossa de classe... menina de muita "catiguria", mas que a gente não podia olhar muito, já que o namorado também era nosso colega. Aliás, dizem que a própria era muito apreciável na época da faculdade, quado ela, ao som de Pink Floyd descacetou o cérebro com muitas doses de revista Contigo, baseados de orégano e refrigerantes Convenção.

Tinha uma teimosia muito característica de pacientes psiquiátricos. Paulinho uma vez quase chorou ao tentar explicar que 1/4 era exatamente a mesma coisa de 0,25. Precisou ir ao quadro negro para defender sua tese (e sua nota, que estava em jogo). Também sismava em chamar o número 14 de "catouze" e não deixava ninguém fazer as provas "a lápes". Não gostava de escrever muito no quadro negro, por isso, trazia de casa enormes cartazes com a aula já pronta. Devemos reconhecer que isso era bem prático, mas muito estranho, mesmo para um professor de física...

Provavelmente ainda dá aula no CEFET, mesmo sofrendo de TOC, Tique, Traque, Parafuso a menos, Mal de Roberto Carlos e outras 20 doenças psiquiátricas à sua escolha

Gustavo Moore (hehe) está se sentindo (hehehehe) bem normaaaaal hoje (UAAAAAAH-HAHAHAHAHAHAHAH!!!!) bi bidi bidibi tati bitati!!!