quarta-feira, agosto 10, 2005

ABÚUUPE!!! RÓOORIUQUE!!!

Esses foram os sons que eu mais ouvi em meus anos de CEFET. Aos 13 anos de idade, antes de entrar na instituição, eu já entrava no "bolinho" de gente desocupada e sem dinheiro que invadia os flippers só pra ver os outros jogarem Street Fighter 2. Devo dizer que esse maldito jogo me desvirtuou: eu era CDF, caxias mesmo. Ficava sempre na cadeira da frente e do meio na sala de aula, só tirava notas maiores que 7, não faltava nem matava as aulas, fazia todos os deveres de casa, não colava nas provas, não sabia o que era dependência ou recuperação.

Foi quando, ao ir pro Martins do Méier em 1991, decidi matar as quase duas horas que sobravam entrando em um fliperama. Foi o início do fim: mesmo quando estava em aula, eu só pensava no maldito jogo. Os desenhos no meu caderno da época denunciavam bem isso. Aliás, foi justamente nessa época que eu comecei a fazer os famosos cineminhas cujo tema era, invariavelmente, aqueles bonecos de palitinho saindo na porrada. Bem, ao menos o ano de 1991 teve um final feliz, com a minha aprovação para a renomada instituição.


Eu já estava de saco cheio de ver o final desses dois


Olhando calmamente agora, e sob um aspecto mais mercadológico, devo dizer que Street Fighter 2 foi um tiro no escuro que acertou em cheio. Era lindo, cheio de vozes, cores e animações, finais diferentes para cada personagem e jogabilidade variada. Uma verdadeira pérola se comparado com os outros jogos da época, porém, baseado em Street Fighter, que não foi exatamente um sucesso. Assim, a Capcom poderia ter investido uma fortuna em uma sequência de sucesso incerto, mas tudo ocorreu bem pra ela. A esperada continuação, por coincidência, só saiu em 1997, quando eu já havia deixado o CEFET, mas não teve o mesmo impacto mercadológico - já que estava acabando a onda dos fliperamas e outros bons jogos de luta foram lançados por outras softhouses - além de não ser tão superior tecnicamente, embora tenha sido um jogo muito bom.

O citado ano foi um divisor de águas na minha vida: Matar as aulas não era mais tão legal. Eu já era um adulto, trabalhava e fazia faculdade (particular, mas faculdade), tinha mais com que me preocupar. Só em 2000 eu pude ter a minha versão gratuita de Street em casa no meu emulador, e assim reviver uma época tão boa, em que eu muitas vezes economizava dinheiro pra comprar fichas. Pouco depois já tinha emprego e estava formado. Street Fighter 2 me desvirtuou, mas não posso me arrepender: no final, tudo deu certo.

Gustavo Moore se divertia com as traduções falsas dos golpes de Street, como "spinning caqui" da Chun Li e "coin coin" do Honda

terça-feira, julho 05, 2005

VALE A PENA VER DE NOVO
Versão comentada


Se a indústria cinematográfica pode fazer remakes de grandes sucessos e a fonográfica pode fazer coletâneas de artistas decadentes, por que não fazer o mesmo com o nosso blog? Nesta releitura, veremos um de nossos posts pioneiros, de Adriano Moutinho, que retrata bem a personalidade de muitos colegas Cefetianos. Então, lá vai:

"Veja a ata, de brincadeira (não é a verdadeira), da primeira reunião do GIDAT"

Data provável de março de 1994

Soneca: Declaro aberta a primeira reunião do G-13 (*1)
Adriano: Precisamos decidir o que fazer para a próxima FETEC!

Adriano Moutinho, legislando em causa própria, se mostrou sensato e decidido. Mesmo de brincadeira, ele jamais teria tomado o impulso de exigir uma posição do grupo.

Flavio: Eu não vou participar, pois eu prefiro aproveitar o tempo livre desevolvendo meu lado técnico em casa. (*2)
Soneca: Ah! gostaria de apresentá-los o novo integrante do grupo, todos conhecem o Betoni!
Beto: Porra soneca, deixa de boiolagem, lógico que todo mundo conhece...
Betoni: E aí...

O Betoni na época mal falava. Talvez por não estar enturmado precisasse de algum "incentivo etílico" para se soltar

Mimi: Falando em boiolagem, este nome do grupo G-13 é extremamente homossexual, que tal mudar para GIDAT(*3)?
Soneca: Gostei...
Paulinho: Ahhhh Gidat, Gidat (Puxando a camisa do Soneca)
Soneca: Para paulinho... Pombas... Ai cocô...
Adriano: Gidat fica mais boiola ainda!
Soneca: Não tem problema! O que você acha, meu caro colega Edvar?
Todos: AHHHH EDVAR, EDVAR, EDVAR, EDVAR.

Foi uma das primeiras citações de Edvar no blog. Desde então, ele nunca mais sentiu frio nas orelhas (e o Soneca em outra região)

Sérgio: Desculpa o atraso, o que eu perdi?
Flávio: Cala a boca, sérgio!
Soneca: Estávamos decidindo o novo nome para o grupo. Que tal GIDAT? Grupo Integrado de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento...
Beto: Putz, muitoooo viado!
Paulinho: Ahhhh Gidat, Gidat (Puxando a camisa do Soneca novamente).
Markizie: Já tô ficando nervoso! Tenho um projeto com um laser para apresentar, só preciso que alguém cuide das minhas holografias 3d...
Brasil: Deixa comigo! Boto tudo guardado na máquina de lavar...
Adriano: Tá bom, tá bom, que tal a gente fazer um braço mecânico montado em um carro de controle remoto com asas e acesso à internet.

O layout original (com vários erros, claro) nós poderíamos encontrar na revista "Saber Eletrônica", que deve ter falido depois de milhares de processos de estudantes revoltados que nunca conseguiam concluir as montagens com sucesso.

Soneca: O que é internet?
Beto: Porra, que viadagem...
Betoni: Acho melhor a gente falar com o zé paulo, ele pode nos dar uma carona até o fundão e mostrar o seu manete mecânico.
Mimi: É mecânico? Não tinha percebido...
Adriano: Diz que ele dirige muito bem.
Gargamel: O manete?
Moore: O garga é broxa, o garga é broxa, o garga não come ninguem!!!! em, em, em, em, em, em.

Pô, sem noção! O que eu e Marquise estaríamos fazendo numa reunião do Gidat? Ah, tá, é de brincadeira...

Gargamel: Como é que você sabe?
Soneca: Melhor decidir logo porque tem prova da Feedback amanhã e eu preciso estudar.
Jotalhão: Não passou ainda soneca? Cacete...
Soneca: Nãããããããããããão, acho que vou pedir para ela me reprovar, preciso aprender português corretamente...
Gargamel: Essas reuniões são uma merda.
Markizie: Então? Vamos fazer o projeto do laser?
Brasil: Que tal o projeto matemático que eu tenho, são equações transcendentais em que F(x)=x^2+sen(y^7)+(cateto oposto) + dd^#AASDasd*
Beto: Não entendi porra nenhuma.
Soneca: Alguém vai falar com o BIT?
Bruninho: Já falei com ele, pedi para que o stand do GIDAT tenha paredes de vidro com armação de concreto e teto reclinável...
Adriano: Ufa, ainda bem que já está tudo certo.
Bruninho: Este GIDAT me fará ganhar milhões de dindin, vamos pedir um toner para imprimir tudo lá na minha impressora...
Mimi: Vamos logo que tenho um encontro com a minha namorada...
Moore: Vampo? (*4)
Jotalhão: Vampo? Namorada é o cacete, Cês vão é pro flipper seus boiolas... Eu também vou...

O próprio Mimi reconheceu na época que era melhor "irpo"

Soneca: Essa reunião não está sendo produtiva!
Flávio: Essas reuniões são uma merda.
Soneca: Declaro encerrada a reunião, vamos Edvar, vamos comprar aquela barraca nova...
Sérgio: Ahhh, barraca...
Flávio: Cala a boca, sérgio!
Moore: Vampo?
Jotalhão: Não vai dar, preciso ir para a padaria, tá bom, só algumas fichas...
Adriano: E o carro com controle remoto?
Flávio: Cê comeu cocô? Nossa capacidade não dá nem para acender LED.
Betoni: Alguem quer ouvir meu cd de música popular alemã?
Beto: Soneca, você gosta de CD? (*5)
Soneca: Sim, gosto muito, principalmente à noite...
------x------x------x------x------x------
(*1) - Antes de ser GIDAT, o grupo se chamava G-13. Depois de mudar para G-12 porque um saiu, e para G-15 pois vários entraram (com trocadilho), passou a ser chamado de GIDAT.
(*2) - Punheta
(*3) - GIDAT - "Grupo Integrado de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento Tecnológico", ou como foi criticado durante a FETEC, "Gays Interessados em Dar Aleatoriamente a Todos". Soube-se que alguns de fato levaram a segunda sigla mais a sério que a primeira...
(*4) - Sigla que significa "VAMos PrO flipper"
(*5) - O GIDAT registrou esta piadinha em 1994, muito antes da popularização do CD.
Esta ata, embora não seja a descrição da original, contem elementos muito verdadeiros...
Ata transcrita por Adriano usando suas próprias lembranças...

E comentada por Gustavo Moore, cujas lembranças deste dia se perderam completamente

quarta-feira, junho 15, 2005

COMPRA UM CARRO!!!!

Hoje eu vinha de ônibus pro jornal, quando percebi a presença de um daqueles vendedores de doces querendo adentrar o veículo. Vendo que o motorista havia deixado, logo pensei: "que merda, lá vem aquele cara atrapalhar o silêncio da minha viagem..." e não deu noutra! O cara entrou, saiu colocando aquelas barras de cereal "nutritivas" nos nossos colos e, quando chegou lá na frente - e isso era bem perto de mim - gritou a plenos pulmões: "BOA TARDE, SINHORES PAÇAGEIROS! DESCULPE INCOMODAR O SILENSSIO DE SUA VIAGEM, MAS EU TRAGO NA PROMOSSÃO...". Logo fiquei impressionado de como esses caras sempre estão fazendo promoção de alguma coisa, de como o produto custa pelo menos o triplo (segundo eles) nas padarias e confeitarias, de como eles sabem que suas vozes invariavelmente estridentes incomodam o silêncio de nossa viagem e de como qualquer coisa, de bala a tabuada versão 2005, é o passatempo de nossa viagem! Depois, pensando friamente (e imerso em silêncio), concluí que o cara não faz aquele papel porque quer. Talvez ele quisesse ir trabalhar num escritório limpinho, com pessoas mais educadas passando e sob um refrescante ar-condicionado, ou mesmo estar em casa com o filho vendo o vídeo-show ou algum outro programa de futilidades. É, ser o desempregado inconveniente é ruim. Não acredito que poderia estar "roubando ou matando" como costumam ameaçar, usando como escudo sua fraca condição social: eles são, sim, trabalhadores e esforçados, mas, acima de tudo, chatos!

Mas apesar dessas figuras, tenho que reconhecer que as mudanças na questão dos transportes nos últimos 7 anos foram significativas. Há uns 3 anos, quando o sistema de entrada pela frente dos ônibus começou a ser implantada eu, no trecho entre Vila Isabel e o Aeroporto Santos Dummont, cheguei a contar 5 malas entrando pra vender alguma bosta. Às vezes, o que entrava vendia exatamente a mesma coisa do que saía. Hoje, os malas dependem da boa-vontade dos motoristas, que, agora privados de "presentinhos", frequentemente recusam sua entrada. A segurança dos bancos atrás do mesmo era, digamos, precária, pois pois pouca gente procurava sentar lá e o acesso era muito fácil. Algumas coisas permaneceram na mesma, como o fato de os motoristas arrancarem e frearem bruscamente deixando metade das pessoas no chão, quase todos idosos. Aliás, justamente esses são os que mais têm sofrido, seja na modernidade, seja na antiguidade: é meio absurdo cobrar deles o uso correto de um cartão que nem mesmo os jovens ignaros conseguem usar direito. Com o vale-idoso, pelo menos, eles passavam ilesos por essa humilhação.

Tocando no assunto do cartão, talvez ele fosse uma grande promessa, mas ainda decepciona: a intenção inicial era acabar com a corrupção nas vendas de vales-transporte, no que, por enquanto, há sucesso, mas acabou causando problemas para os usuários, que em alguns casos acabam roubados no crédito, além de não poderem utilizá-lo nas vans. Bem, neste caso em particular, os empresários de ônibus riem à toa, afinal, o transporte alternativo os deu muitas dores de cabeça e este foi o grande troco. Claro que eles, que nunca pegaram um ônibus na vida, não sabem adiferença entre ir confortavelmente sentados na van e espremidos em pé em seus veículos.

A gratuidade nunca foi tão atacada como nos últimos anos, em que primeiro segregaram os não pagantes, depois limitaram cada vez mais o número de bancos para eles, e por último, voltaram a misturá-los com os outros passageiros mediante a passagem do famigerado cartão e da famigerada roleta, mesmo os cadeirantes, cegos, velhos e deficientes em geral. Só quem dependia do jalecão do CEFET podia medir o transtorno de implorar a entrada no veículo para um cara que não tinha nem metade da instrução e da educação de um aluno do segundo grau. Bem, reconheço que, pelo menos com o cartão, acabou esse negócio de neguinho comprar jaleco só pra entrar de graça no coletivo.

Realmente, o transporte no Rio precisava mudar, se modernizar, mas será que toda essa modernidade compensou os empregos dos cobradores? Que tal então os motoristas que são demitidos como "senior" e readimitidos como "júnior", perdendo assim quase metade do salário?O que resta como pergunta final é: os fins compensam os meios?

Gustavo Moore escreveu este post tão sério que pensa em tomar o emprego do Datena

quarta-feira, maio 11, 2005

FELIZ ANIVERSÁRIO, SWEET!!!


Hoje, 11 de maio de 2005, Eduardo Perira, vulgo Sweetchuck, vulgo Sweet, comemora 28 primaveras. Diferentemente do ano passado, quando a comemoração se deu no Mundial da Tijuca, neste ano celebrar-se-á um grande evento no Terreirão do Samba, na praça XI, com a presença confirmada de Dudu Nobre, É o Tchan, MC Serginho e Lacraia e o grande astro internacional Kenny G, que prometeu dar uma palhinha com seus três maiores sucessos (cada música dura em torno de dez minutos). Sergio e Adriano prometeram uma incrível performance dançando na boquinha da garrafa. No final haverá uma grande gafieira, onde o aniversariante e este que vos escreve demostrarão seus incríveis e acrobáticos passos de dança russa.

Damas grátis atê as 3 da manhã! Até porque até lá as única damas do evento serão a Luana (já comprometida) e o Brasil (que é uma moça)!

Gustavo Moore atribui a este mouse de um botão do Macintosh todos os trabalhos ruins que fez no jornal "O Dia"

segunda-feira, abril 25, 2005

"GIDAT 10 ANOS" HÁ QUASE DOIS
A saga de um humilde blog


Em 10/01/2004 começava a maior revolução na Internet desde o surgimento do Napster. um evento que mudaria a história da humanidade, talvez mais que a próxima mudança do eixo de rotação da Terra: começava a funcionar oficialmente o blog do GIDAT 10 ANOS, com o primeiro post, de Sergio Telles. Justamente, neste primeiro post conseguiu-se um recorde até hoje não superado: o de maior explicação sobre o autor (aquela(s) frase(s) final(is) que dissertam sobre o autor, geralmente em itálico). A deste primeiro post foi:

"Sergio Telles trabalha com planejamento em transporte urbano e foi o idealizador do blog. Estudante de Economia da UERJ, ensaia seu futuro como comentarista econômico em seu blog. Talvez um dos que mais se distanciou da origem técnica, herdou as fortes lições que aqueles jardins e bancos do pátio do CEFET deixaram na sua vida. Muitas ainda são seguidas no dia-a-dia, se tornaram corriqueiras e imperceptíveis, mas é difícil imaginar esse hoje sem aquela parte de ontem que existiu."

Notem que o que era para ser uma oração simples, com sujeito e predicado se transformou em um texto com refrão e estrofes de uma síntese quase parnasiana em que o rapaz só não disse o resultado dos últimos jogos do Botafogo e sobre a posição do Brasil enquanto signatário do protocolo de Kioto, aliás, ainda bem, pois senão teríamos mais pelo menos 20 linhas de texto!

Justamente os posts das primeiras 5 semanas foram os maiores e os mais criativos, porque tratávamos das histórias que saltavam primeiro de nossa mente, as mais marcantes e, no caso dos homenageados, os mais figuras. Lembro que meu primeiro post foi justamente na semana do Soneca e comparando o tal post com os meus últimos, chega a ser inacreditável como eu perdi humor e imaginação, mas nem reclamo disso, afinal, o mesmo dilema ocorre com os músicos, que geralmente são aclamados nos primeiros discos e quando evoluem musicalmente perdem pontos com o público e ganham com os críticos. Vamos agora aos...

TOP 10 - Momentos que mais marcaram o blog:

1- Semana do Soneca
Posts engraçados e toscos, repletos de imagens divertidas. Apesar de não ter sido a semana com mais posts, ganhou disparada em qualidade e pelo fato de ser a semana inaugural de "homenageados". Destaque para o Edvar, que muitos (inclusive eu) mal conhecem (aliás, o Eduardo disse que era loiro!), mas que acabou pegando carona na garupa do Soneca.

2- Post das raridades do CEFET
Em um show de cobertura (e de falta do que fazer), Adriano Moutinho coletou diversas imagens da época do GIDAT. Panfletos, jornaizinhos, cartões, enfim, só o filé daquela época. Eu lembro que também mandei umas fotos antigas de um encontro da galera em 95 num shopping em Botafogo. Foi legalzinho, mas não teve o mesmo impacto

3- "Imagens" do Brasil
A semana do Brasil foi muito produtiva, afinal, o que não faltava eram motivos para sacanear nosso velho cramulhão, mas o top da semana, sem dúvida, foi o post do Sweet em que ele colocou várias imagens chupadas do "Marte Ataca" com legendas bem engraçadas

4- Ser Sergio é...
Modéstia a parte, esse foi meu. Quatro figurinhas sobre o nosso (aham) querido amigo Sergio, que resumiram seu, digamos, estilo. Lembro-me que ele ficou bem puto com algumas, mas todo mundo que leu apoiou, inclusive os coadjuvantes também sacaneados nos desenhos.

5- Comentários danados
Um show `a parte, muitos eram bem engraçados e são fruto de um grande poder de improviso, aliados a um afiado humor característico de nossa turma. Mais uma vez, Soneca e Brasil foram as maiores vítimas. Quem não se lembra daquela espetada sobre o Soneca ter ido ver o Senhor dos Anéis na casa de um "casal" de amigos?

6- A Nova Dheli alemã
Na semana do Betoni, apenas alguns minutos separaram meu post e o do Sweet sobre o mesmo assunto: o asseado povo indiano, que infernizava Bruno Betoni em suas andanças em além -mar

7- Slogans e você: tudo a ver!
Os slogans forar super-utilizados durante a existência do blog, sem dúvida o campeão foi o "Sweet, compra um carro!". Como a resposta da vítima era sempre a mesma, o máximo da tiração de sarro foi quando postaram uma foto de uma moeda de 1 centavo para ajudar na "vaquinha". Esta e outras frases de efeito foram como um bom sanduíche: simples, rápido e engana a fome até surgir algo melhor.

8- Ser o homenageado: não tem preço
Para uns emocionante, para outros decepcionante. Imagine uma mídia aberta de massa em que conhecidos seus ficam mais de uma semana falando exclusivamente sobre você! Claro que além da homenagem, você saberá que seus maiores podres serão jogados no ventilador sem dó nem piedade. Quando acabaram-se os homenageados, o Blog não foi mais o mesmo...

9- As trapalhadas dos professores
Se não fosse o blog, eu não saberia das peripécias de Didi Mocó, não me lembraria das teorias conpiratórias do Bitt, das piadas sen-sa-cio-nais do Arídio e nem do bom-humor e da simpatia da Feedback. Muitas de nossas melhores histórias devemos aos nossos professores e neste blog estão bem representadas.

10- A queda do império
Nem só de bons momentos passa-se a vida. Infelizmente, nosso blog foi sucateado na forma e no conteúdo. poucos posts, nenhum comentário. Os ótimos comentários antigos simplismente sumiram, bem como as fotos (inclusive o título). Pensei em fazer um título novo, colocar novas fotos dos homenageados, mas fui dominado pela preguiça e pelo desânimo. Afinal pra que ter tanto trabalho, se ninguém vai ver mesmo? As pessoas do grupo optaram pelo enlatado ORKUT, que oferece mais opções, comunidades, interação... mas nos tira o direito de ter algo diferente, algo só nosso. Uma pena...

Sem mais delongas, por hoje é só, pe-pessoal!

Gustavo Moore acredita que ninguém vá ler esta merda, por isso manda todo mundo tomar no olho do cu!

segunda-feira, março 21, 2005

A DIFÍCIL ARTE DE REVER CONCEITOS

Gente, vocês podem não acreditar, mas eu vi os três filmes do "Senhor dos Anéis"... e até que foram legaizinhos! Bem, não foram a maravilha que todos os nerds de plantão espalham por aí. O filme não prende a atenção como "Guerra nas Estrelas", não é inteligentemente bem-humorado como "De Volta Para o Futuro", nem tem a boa história de "Advogado do Diabo" ou "Matrix". É um filme bom, ponto. Destaca-se mais pela imaginação do Tolkien, que criou todo um universo, do que pelo enredo, fraco demais. Os efeitos especiais e as paisagens fazem a diferença.

Interessante como nos contradizemos ao longo da vida, meio que para queimar a língua (não o anel, que fique bem claro!!!). Até os 20 anos de idade minhas 3 principais opiniões eram:

- Eu odeio computador e estpero jamais trabalhar com um - jamais deixarei uma máquina fazer meu trabalho.

- Jornalista e advogado é tudo babaca e vendido.

- Só um governo de esquerda salva este país.

Pois bem, como é estranho fazer parte do sistema que eu tanto critiquei e saber que não teria passado do segundo período da faculdade sem o micro. Aliás não teria sequer um emprego - talvez cobrador de ônibus ou pintor de paredes. Neste exato momento, teclo num macintosh de dentro de uma redação de jornal, cercado de pessoas normais que eu vivia olhando de lado por desconfiar que "espalhavam a mentira" ou a vendiam como verdade. E qual seria a verdade a ser escondiada? A minha opinião de governo justo? Bem, na verdade ainda tenho esperança no presidente eleito em 2002, mas claro que ele não poderia criar o ministério do "abra cadabra" para resolver tudo o que não foi sendo feito em 500 anos. Pelo menos na política ainda não inverti totalmente a opinião, mas que eu achava que ia ser de outro jeito, ah, eu achava...

Um colega nosso diria: "Ooooh, como você sabe que é ruim se nunca provou?". Ora, claro que eu não preciso tomar veneno pra saber que mata, ou me valer das experiências retro-furiculares dele pra saber que é ruim, mas em outros casos, é bom tomar cuidado com o que dizemos. Assim, como no vestibular, as palavras "nunca" e "sempre" podem ser a diferença estre a certeza absoluta e a reprovação irreversível.

Ah, sim! Em uma coisa eu estava certo: o livro do Senhor dos Anéis é uma merda!

Gustavo Moore saiu das Organizações Globo e voltou a pensar que a família Marinho é o câncer da nação

quinta-feira, fevereiro 24, 2005

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2005

GIDAT


O nosso grupo, desde que nos conhecemos, sempre desenvolve slogans que caem no gosto popular e se eternizam... alguns bem sucedidos, outros nem tanto... vamos relembrar os mais famosos (elaborado com a colaboração do Adriano):

1992/1 - SORRISO...VIADO!!! CRUEL... LESADO!!!
1992/2 - ADRIANO, ME DÁ A BUNDA!!
1993/1 - AH, GUGU, VAI TOMAR NO C...!
1993/2 - CALA A BOCA SERGIO!!
1994/1 - DECLARO ABERTA MAIS UMA REUNIÃO DO GIDAT!
1994/2 - BEM VINDOS AO STAND DO GIDAT!
1995/1 - PAULINHO, ARRUMA A GRAVATA TAPA-SEXO!
1995/2 - AGORA FORMOU! ´BORA PRO CEARÁ!
1996/1 - EXISTE VIDA APÓS O ESTÁGIO???
1996/2 - SONECA, PÁRA DE DIVIDIR A BARRAQUINHA COM O EDVAR!
1997/1 - JOTA, OS PINOS DO BOLICHE FICAM PRO OUTRO LADO!!!
1997/2 - O QUE É UM LADA EM CIMA DA MONTANHA?
1998/1 - O QUE SÃO DOIS LADAS EM CIMA DA MONTANHA?
1998/2 - JOTA, MAIS UMA PT???? DE NOVO? E COM O CARRO DO GARGA????
1999/1 - FLÁVIO, O MELHOR CAMINHO É PELA BR!!!
1999/2 - SONECA, NÃÃÃÃÃÃO... TORROU UM DINHEIRÃO NUM RE-NO-CIO!!!!
2000/1 - BETO, NÃO FURE SUA PRÓPRIA DESPEDIDA!!!
2000/2 - ELA NÃO É HÉLIA, É LUCIAAAAANA!!
2001/1 - SONECA, AO ABRIR O ATELIER, USE CAMISINHA!!!
2001/2 - AH, POMBAS, PORQUE VOCÊS ME SACANEIAM TANTO???
2002/1 - É NAMORO OU AMIZADE??? TÁ NA CARA QUE É AMIZADE! PAMONHA, PAMONHA, PAMONHA!!!
2002/2 - BRASIL, DE UMA VEZ POR TODAS, BRASIL!!!
2003/1 - BRASIL, TOMA VERGONHA, TROCOU A VIAGEM À MARICÁ, POR UM BATE-PAPO COM O EDVAR!
2003/2 - CALA A BOCA, SERGIO! DEZ ANOS DE UM SILÊNCIO QUE NÃO QUER CALAR.
2004/1 - SWEET, COMPRA UM CARRO!!!
2004/2 - SONECA, TOMA VERGONHA E VOLTA PRA FACULDADE!!!

Lançamos, com absoluta exclusividade do Blog do GIDAT, a mais nova campanha do grupo!!!

GUSTAVO, TIRA A MÃO DAÍ! ASSIM VOCÊ ESFOLA O SEU...
JOYSTICK!!

Essa campanha visa um esforço coletivo, como todas as outras, para que nosso querido colega troque suas horas em cima de seu PlayStation 2 por outras com uma namorada... afinal, já estamos ficando carecas de saber (não é, Soneca?) que não há nada melhor na vida que uma companhia feminina, especialmente quando você quer fazer alguma coisa e ela está lá, prontinha pra criar uma confusão e acabar com sua vontade. É por isso e por outros benefícios ainda melhores, que, para esse início de 2005, convocamos a todos o início dessa campanha!!!

PS: Como já dito, as campanhas anteriores mantém validade, portanto, SWEET, COMPRA UM CARRO!!!!

Sergio Telles não tem o que dizer, atendendo à campanha em sua homenagem... e Adriano Martins Moutinho está ocupado e não pode sentar na cadeira para escrever aqui, imaginem o porquê...

quarta-feira, fevereiro 23, 2005

A CAAASA DO ESPAAANTO 2005

Se refilmaram até o clássico trash “O Massacre da Serra Elétrica”, por que não reeditar a “Caaasa do Espaaanto”? Porque é uma merda? Ah, sim, bom motivo.

Ao invés disso, vamos à contabilidade do carnaval 2005 em Maricá.

Latas de cerveja diárias consumidas por Soneca: 30
Litros de urina despejados diariamente por Soneca: 30
Kg de gordura ganhos pelo consumo sucessivo de churrasco: 15
Repetição das frases do jogo “FIFA 2005”: 3.547
Vezes que o Sergio falou em Macaé: 4.525
Vezes que alguém se importou: 0
Percentagem de discos chatos do Soneca: 99% (o do Pearl Jam se salva)
Percentagem de discos gays do Soneca: 99% (idem)
Insetos esquisitos encontrados: 5
Litros de água gastos por banho: 0,2
Torneiras que funcionavam: 0
Vezes que a bola caiu na casa vizinha: 2
Vezes que o Adriano e o Sergio falaram palavrão enquanto jogavam “Burnout3”: 8.511.965
Percentagem de tempo em que a Cris ficou emburrada por algum motivo (ou nenhum): 89%
Kg de sorvete consumidos individualmente por dia: 2

Aguardem! Em breve colocaremos no ar algumas fotos marcantes do Carnaval. Até o carnaval que vem, provavelmente!

Gustavo Moore não tem desculpa se levar um cartão. Ele interrompeu a jogada deles. É a tranqüilidade que se tem quando se está no topo da tabela.

quarta-feira, janeiro 12, 2005

OS PRIMEIROS ADOLESCENTES FODÕES

A geração que teve a infância nos anos 80 e a adolescência nos anos 90 - geração da qual fazemos parte - pode ser considerada a pioneira em tudo o que chamamos corriqueiro, porém maneiro.

Por termos visto a maioria dessas coisas primeiro, sentimos muito mais o impacto inicial. Por exemplo: toda festinha nos idos de 1987 tocava "Bichos Escrotos" dos Titãs e o DJ (que nem devia ter esse nome na época) fazia questão de abaixar o volume na hora em que se gritava "VAI SE FUDER!!!" só pra ouvir a galera. Era o máximo ter 10, 11 anos e gritar uma parada dessas no meio de uma festa. Anos mais tarde os Raimundos estouraram com músicas engraçadas e cheias de palavrões que caíram na boca do povo.

Fomos pioneiros no uso dos microcomputadores pessoais, bem como seus principais acessórios e a grande revolução: a internet! Era bacana à beça esperar mais de 5 minutos pra poder baixar uma foto da Xuxa pelada, ainda mais porque ela havia vetado tudo o que havia feito de putaria nos anos 80 (dizem as más línguas que ela comprou todas as cópias daquele filme que ela havia feito, bem como todas as revistas em que saiu pelada). Apesar dos pesares, a internet era mais romântica. Não haviam spams nem pop-ups chatos. Até os vírus eram mais inocentes. Nem pensar em spywares, cookies ou roubo de senhas. Os sites eram toscos, feitos em HTML, bregas, praticamente monocrométicos e em fonte Times New Roman.

Vivemos o início das rádios FM com mais humor, o comecinho da MTV, da cultura trash. Os times de futebol já estavam perdendo o charme com os patrocínios milionários, o vôlei virava desde então uma nova mania nacional (mais para as garotas, claro), e a fórmula-1 começava a se tornar a merda que é hoje. Já vivíamos imersos numa democracia - corrupta, é verdade - mas desde antes de nossa época não sabemos o que é de fato uma ditadura (sem duplo sentido, por favor).

Se você, leitor ocasional de 13 anos de idade se acha muito foda, pode acreditar, deve isso a nós, documentos originais do cartório de sua geração.

Gustavo Moore não é bidu, mas acertou o que disse no comentário do último post: que o próximo post sairia em 3 meses!